Dois Filmes Indicados ao Oscar: Manchester À Beira-Mar e Moonlinght

Dois dos filmes que devem abocanhar alguns prêmios importantes na noite do próximo domingo são, possivelmente, os dois filmes mais dramáticos presentes nesta temporada de premiações. Ambos são produções com ares independentes, sem os grandes e tradicionais estúdios de cinema por trás. Ainda assim, conseguiram chamar atenção e arrancar elogios de público e crítica em festivais de cinema importantes pelo mundo, ao longo de 2016. Vamos falar um pouco sobre eles.

Manchester À Beira-Mar
(dirigido por Kenneth Lonergan | EUA, 2016)
Nota: ★★★★★★★★☆☆ [8]

ManchesteraBeira-Mar

Com uma atuação um tanto silenciosa, Casey Affleck nos leva pelos acontecimentos da vida de Lee Chandler, um pai que teve sua família e sua vida completamente destruídas por um acidente e agora perde o irmão, Joe (Kyle Chandler). Diante disso, seu sobrinho adolescente, Patrick (Lucas Hedges), que Joe criava sozinho, passa a ser sua responsabilidade.

Luto e resiliência andam lado a lado durante todo o filme, temperados por tudo o que é sentido e não dito pelos personagens. O filme é sobre as reações à dor, ao medo e, ao mesmo tempo, sobre uma enorme força que os faz seguir em frente. Pode até parecer arrastado para quem não curte esse tipo de narrativa, mas para quem gosta de um bom drama e análise psicológica dos personagens, é ótimo e tocante!

ManchesteraBeira-Mar

Indicado a 6 Oscars:

Melhor Filme

Melhor Diretor (Kenneth Lonergan)

Melhor Ator (Casey Affleck)

Melhor Atriz Coadjuvante (Michelle Williams)

Melhor Ator Coadjuvante (Lucas Hedges)

Melhor Roteiro Original

 

Moonlight: Sob a Luz do Luar
(dirigido por Barry Jenkins | EUA, 2016)
Nota: ★★★★★★★★★☆ [9]

moonlight

Dividido em 3 atos que mostram a infância, adolescência e vida adulta de Chiron, Moonlight é um dos grandes filmes da temporada. Filho de uma usuária de drogas, em dúvida sobre sua sexualidade e ultra reservado, Chiron e seus 3 intérpretes, Alex Hibbert, Ashton Sanders e Trevante Rhodes, são um poço de emoções, se comunicando mais por olhares e gestos do que por palavras.

Vale destacar também a sensibilidade do diretor, Barry Jenkins, que desenvolveu um filme sem excessos e exageros nas explicações, fazendo com que entendamos toda a trama através de detalhes, às vezes até sutis. Também pode parecer um filme lento, mas mergulhe na vida de Chiron com calma e de cabeça aberta, sempre atento aos detalhes, e verá que há muito a se pensar ali.

Indicado a 8 Oscars:

Melhor Filme

Melhor Diretor (Barry Jenkins)

Melhor Atriz Coadjuvante (Naomie Harris)

Melhor Ator Coadjuvante (Mahershala Ali)

Melhor Roteiro Adaptado

Melhor Trilha Sonora Original

Melhor Montagem

Melhor Fotografia

 

Caso um desses filmes apareça nos cinemas da sua cidade, não tenha dúvida: vá assistir!

Roseana Marinho

Roseana Marinho

Publicitária, desde a adolescência apaixonada pela sétima arte, opina e debate sobre as obras cinematográficas. Ama literatura, astronomia e história e é tão eclética que faz ballet clássico e kung fu. Nas horas vagas, além dos filmes, também vê muitas séries.

roseanam has 30 posts and counting.See all posts by roseanam

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *